Início Plano de Saúde Trocou o plano de saúde da empresa e continua gastando muito? Entenda...

Trocou o plano de saúde da empresa e continua gastando muito? Entenda por que dá errado e como economizar

Autor

Data

Categoria

Será que é possível economizar no plano de saúde empresarial?

Num primeiro momento, a contratação desse produto junto a operadoras tradicionais pode ter preços atrativos, mas logo vem a decepção.

Geralmente, gestores e profissionais de RH se assustam com o primeiro reajuste anual, aplicado no aniversário do contrato.

Porque a atualização costuma ultrapassar bastante o valor da inflação no período, resultando em aumentos abusivos que comprometem o caixa da empresa.

A situação é ainda mais crítica para o microempreendedor individual (MEI), que raramente tem condições de arcar com o reajuste.

Para piorar o cenário, muitas vezes trocar de convênio leva aos mesmos problemas após os primeiros 12 meses de contrato.

Então, como escapar desse ciclo vicioso?

Neste conteúdo, a gente explica por que a estratégia da portabilidade falha e o que fazer para economizar de verdade com o plano de saúde.

Acompanhe! Neste conteúdo falaremos sobre:

  1. Economizar no plano de saúde: uma necessidade de qualquer empresa
  2. Por que o custo e o reajuste dos planos tradicionais são caros?
  3. Por que trocar de operadora nem sempre resulta em economia?
  4. Como funcionam os planos tradicionais (e por que economizar parece impossível)
  5. Qual a solução definitiva para economizar no plano de saúde?
  6. Escolha o plano de saúde da Sami para economizar de verdade

Economizar no plano de saúde: uma necessidade de qualquer empresa

Se o seu negócio já está consolidado, é provável que tenha mudado de convênio médico pelo menos uma vez.

Nesse caso, sua empresa faz parte das 70% que revisam constantemente a oferta de assistência médica aos funcionários, de acordo com pesquisa da consultoria de riscos Aon.

Divulgado em uma reportagem da Exame, o estudo revela ainda que as avaliações periódicas e alterações têm como objetivo fazer a despesa caber dentro do orçamento das organizações.

O que faz sentido se considerarmos que, para 25% das companhias, os custos com o convênio médico representam entre 10,1% e 20% do gasto com os funcionários, sem contar o salário.

É por isso que o plano de saúde é o benefício mais caro para as empresas.

Mesmo assim, continua a ser usado na maior parte das organizações, pois contribui para a produtividade, atração e retenção de talentos.

Daí a importância de manter esse benefício sem sacrificar a saúde financeira do negócio.

A boa notícia é que isso é possível.

Por que o custo e o reajuste dos planos tradicionais são caros?

A resposta mais simples é: por causa do modelo de remuneração adotado pela maioria das operadoras no Brasil.

Chamado de fee-for-service, esse modelo prioriza a quantidade de procedimentos realizados, e não a qualidade do atendimento ou dos serviços.

Está aí a razão para o incentivo ao uso desnecessário do plano de saúde, afinal, quanto mais os beneficiários utilizarem, mais os prestadores de serviços médicos vão lucrar.

Para completar a equação, existem ainda fatores como a sinistralidade e a inflação na área da saúde, que contribuem com o encarecimento nas mensalidades e reajustes.

Essa é a dinâmica que permite que os custos sofram correções de mais de 50% ou até dobrem de um ano para o outro.

Por que trocar de operadora nem sempre resulta em economia?

Diante de reajustes abusivos, um caminho natural para as empresas que desejam equilibrar as contas é optar pela portabilidade.

Nesse cenário, há opções vantajosas que oferecem uma fuga do aumento na mensalidade e ainda eliminam o período de carência, possibilitando que os usuários desfrutem de todos os serviços assim que o contrato é assinado.

Mas essa alegria dura pouco.

Depois dos primeiros 12 meses, a operadora de destino aplica o reajuste anual.

Muitas vezes, a atualização se aproxima do aumento na operadora anterior, formando um ciclo vicioso difícil de evitar.

Isso acontece quando a organização troca uma operadora de modelo tradicional por outra que funciona a partir da mesma lógica de remuneração.

Na prática, é como trocar seis por meia dúzia, porque, no final, o resultado será sempre o mesmo.

Além disso, mudar de plano de saúde todo ano é cansativo e ocupa parte importante da jornada dos funcionários, que poderiam se dedicar a atividades de maior valor para a empresa.

Como funcionam os planos tradicionais (e por que economizar parece impossível)

Como adiantamos acima, o modelo dos planos tradicionais se fundamenta em um conjunto de quesitos que acabam encarecendo as mensalidades.

Basicamente, são três peças-chave que vamos detalhar abaixo.

1. Fee-for-service

Falamos sobre esse modelo de remuneração antes.

Ele funciona considerando a quantidade de procedimentos realizados para remunerar a cadeia de prestadores de serviços médicos.

O problema é que, ao priorizar a quantidade, abre-se margem para o incentivo ao uso indiscriminado dos serviços, elevando os gastos com o plano empresarial.

2. Cuidado fragmentado

No modelo tradicional, é comum ter contato com o convênio somente quando se vivencia alguma complicação de saúde.

O paciente busca por diversos especialistas para que cada um avalie o estado de um tecido, órgão ou conjunto de órgãos.

Esse cuidado fragmentado raramente inclui medidas preventivas que poderiam evitar agravos e seus custos.

Por exemplo, diante do diagnóstico precoce, elevam-se as chances de cura para a maioria dos casos de câncer, com tratamentos de menor complexidade.

quando a situação se agrava, é necessário recorrer a procedimentos caros como a radioterapia e quimioterapia, com alto custo econômico, físico e emocional para o paciente.

3. Sinistralidade alta

Outro fator que influencia no reajuste anual dos planos coletivos empresariais é a sinistralidade.

Esse indicador pode ser definido como o reparo relativo aos custos que a operadora teve com procedimentos de saúde ao longo do ano, a fim de manter a lucratividade e evitar prejuízos.

Até aí, tudo bem.

Só que, combinada ao modelo fee-for-service, a sinistralidade tende a se elevar, pois há incentivo para que sejam feitas mais consultas, exames e outros procedimentos.

Qual a solução definitiva para economizar no plano de saúde?

Neste ponto do texto, já ficou claro que é preciso fugir do modelo tradicional da saúde privada para permitir uma economia real e sustentável no preço do plano de saúde.

Além disso, ampliar o acesso a serviços médicos de qualidade.

Foi a partir desse desafio que nasceu a Sami, trazendo ideias inovadoras para promover uma transformação nessa área.

Saiba mais sobre os pilares da nossa cultura a seguir.

Remuneração por resultado

Para nós, qualidade vale mais que quantidade.

Por isso, nossos parceiros clínicos (rede credenciada) são remunerados de acordo com seus resultados, e não pelo número de procedimentos realizados.

Quanto mais humanizada, acolhedora e eficaz for a assistência prestada aos clientes Sami, melhores serão os ganhos para nossos parceiros.

Nesse contexto, também não há sustos na hora do reajuste anual.

Cuidado coordenado

Já ouviu falar em medicina preventiva?

Esse segmento se concentra na promoção da saúde e vai além do mero tratamento de doenças.

O segredo está na orientação e acompanhamento do indivíduo, fornecendo um cuidado coordenado para evitar problemas de saúde.

Na Sami, cada membro tem seu próprio Time de Saúde, com um médico, um enfermeiro e profissionais de enfermagem à disposição.

Eles fazem um monitoramento contínuo, avaliando não apenas o histórico de saúde, como também o contexto familiar, estilo de vida e outros fatores que interferem no bem-estar.

A equipe está sempre a postos para tirar dúvidas e, quando necessário, fazer o encaminhamento aos cuidados clínicos.

É assim que conseguimos oferecer uma assistência integral e melhora da qualidade de vida aos membros Sami.

Atenção primária

Dentro desse contexto de medidas preventivas, a atenção primária se enquadra como oferta de cuidados considerando o indivíduo como um todo.

Em vez de cuidado fragmentado, essa assistência promove o acompanhamento constante, complementando o cuidado coordenado para evitar problemas de saúde.

Promoção de hábitos saudáveis

Outra forma inteligente de reduzir o índice de sinistralidade do convênio é incentivar a adoção de hábitos saudáveis entre os colaboradores.

O que significa fortalecer o corpo e a mente, colaborando para que os funcionários apostem numa dieta balanceada, na prática regular de exercício físico e em boas noites de sono.

Na Sami, ajudamos não apenas com as dicas do Time de Saúde, mas também por meio da Rede de Hábitos Saudáveis.

Ela dá acesso gratuito à rede de academias Gympass e aplicativos de atividade física para fortalecer o organismo.

Há ainda cuidados mentais e até terapia online usando o app de saúde mental Vitalk.

Escolha o plano de saúde da Sami para economizar de verdade

Se você busca uma solução para economizar sem precisar fazer a portabilidade do plano de saúde todo ano, vale a pena conhecer a Sami.

Somos uma plataforma de saúde focada em cuidados integrais, atenção primária e um modelo de remuneração sem reajustes abusivos.

Afinal, criamos uma dinâmica que dá a você previsibilidade e evita sustos com o reajuste, pois nosso propósito é manter uma relação de longo prazo com cada membro.

Como membro Sami, aliás, você e sua equipe terão acesso ao Time de Saúde, Rede Hábitos Saudáveis e uma rede credenciada reconhecida.

O que inclui hospitais, laboratórios e maternidades de qualidade como Beneficência Portuguesa, Hospital Oswaldo Cruz (unidade Vergueiro), maternidades Santa Joana e Santa Terezinha, laboratórios Labi, entre outros.

Nossos planos são para MEI e empresas de pequeno e médio porte, a partir de 1 pessoa, nas cidades de São Paulo, Guarulhos, Osasco, Taboão da Serra e no ABC, com preços a partir de R$ 172 por mês por pessoa.

Peça já sua cotação!

e-book Como estruturar uma política de plano de saúde para sua empresa do zero

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

eNPS: o que é, sua importância e como os benefícios impactam?

Gestores que estão por dentro das tendências de mercado e seus indicadores, já devem ter ouvido falar do eNPS (employee Net Promoter...

Dengue: veja os principais sintomas e como se proteger

A dengue ainda é endêmica no Brasil, ou seja, está frequentemente presente entre a população. Isso acontece devido às condições climáticas e...

Política de benefícios: como estabelecer uma para o seu negócio

Se está pensando em construir ou aperfeiçoar a política de benefícios da sua empresa, saiba que essa é uma atitude inteligente.

Preços de planos de saúde disparam, mas Sami segura e fecha 34% abaixo

Com a inflação batendo 12,13% no acumulado em 12 meses em maio de 2022, além de os brasileiros estarem economizando no que...

Mães no mercado de trabalho: desafio é vencer preconceito

Pense em todas as mulheres que você conhece no mercado de trabalho. Agora imagine que daqui a dois anos metade delas terá...
e-book Como estruturar uma política de plano de saúde para sua empresa do zero