Início Saúde Inteligência emocional no empreendedorismo: qual a importância?

Inteligência emocional no empreendedorismo: qual a importância?

Autor

Data

Categoria

Desenvolver a inteligência emocional nunca foi tão importante, seja para administrar conflitos pessoais, conquistar metas na carreira ou impulsionar um negócio.

Principalmente diante das mudanças velozes no mercado, que exigem capacidade de inovação e aprendizado constante para que as equipes e empresas se mantenham competitivas.

É por isso que o empreendedor precisa se aperfeiçoar diariamente, buscando ampliar seu leque de competências comportamentais – o que inclui a inteligência emocional. Esse é um passo importante se a sua vontade é empreender com qualidade de vida.

Imagem de jovem empreendedora curtindo férias na praia, presente no texto da Sami que responde à pergunta: "Como empreender com qualidade de vida?"

LEIA MAIS NO BLOG DA SAMI

Como empreender com qualidade de vida?

Tudo começa com o autoconhecimento e cuidados com a saúde mental, como vamos contar ao longo deste artigo. 

Continue lendo para saber como melhorar sua capacidade de perceber e gerir as emoções, agregando impactos positivos para o seu negócio. Neste conteúdo, vamos falar sobre:

  1. O que é inteligência emocional?
  2. Qual a importância da inteligência emocional no empreendedorismo?
  3. Exemplos de situações que exigem sua inteligência emocional
  4. Como evitar que as emoções prejudiquem seu negócio?
  5. Como desenvolver a inteligência emocional?
  6. Cuide da sua saúde de forma integral com a Sami

O que é inteligência emocional?

Inteligência emocional é uma competência que permite a identificação e a gestão das emoções, assim como a percepção do que o outro está sentindo.

Podemos dizer que ela combina habilidades intrapessoais e interpessoais, unindo o autoconhecimento à empatia para compreender o que se sente.

Esse tema ganhou evidência a partir de estudos sobre a motivação das pessoas, a exemplo da obra do psicólogo e escritor Daniel Goleman.

Chamado “Inteligência Emocional”, seu livro publicado em 1995 explica a teoria sobre esse conceito, avaliando a contribuição das emoções para a tomada de decisão.

Goleman elenca cinco pilares que embasam o tema:

  • Autoconhecimento
  • Autocontrole
  • Empatia
  • Automotivação
  • Sociabilidade.

Qual a importância da inteligência emocional no empreendedorismo?

Estar à frente de um negócio exige uma combinação entre competências técnicas e comportamentais.

Na verdade, qualquer profissional que deseje crescer na carreira precisa dessas competências, mas isso se torna crítico para o empreendedor.

Afinal, será preciso mais do que o domínio dos conhecimentos do seu setor de atuação para gerir uma empresa.

A inteligência emocional será indispensável para dar motivação nos momentos difíceis, liderar sua equipe com afinco e conquistar a confiança de clientes e parceiros.

Porque um empreendimento nasce na mente de pessoas (idealizadores), é feito por pessoas (colaboradores) e para pessoas (clientes).

Então, nada mais natural do que a influência das emoções, já que pessoas são movidas por seus sentimentos, necessidades e desejos.

Para dar uma ideia da relevância de desenvolver a inteligência emocional, altos níveis dela estão presentes em 90% dos profissionais com melhor desempenho, segundo uma pesquisa divulgada em 2020 pela Talent Smart.

Outro levantamento, realizado pela empresa de recrutamento PageGroup, constatou que a inteligência emocional é considerada importante para 42,9% dos líderes atualmente.

Exemplos de situações que exigem sua inteligência emocional

Agora que já falamos sobre o conceito, vamos a aplicações práticas para deixar claro o papel da inteligência emocional no empreendedorismo.

Repare que esse conjunto de ferramentas e técnicas pode fazer a diferença em uma série de situações, como ilustramos a seguir.

Para contornar os próprios gatilhos emocionais

Quem embarca na aventura de empreender experimenta uma verdadeira montanha-russa emocional, cheia de altos e baixos.

Nessa trajetória, é normal se sentir muito capaz e realizado em um dia e, no dia seguinte, acordar sem a mínima disposição, questionando suas escolhas ao trocar uma carreira tradicional pelo próprio negócio.

Isso acontece quando você depara com gatilhos que despertam estados emocionais negativos.

Por exemplo, se recebe uma crítica de um cliente que usa palavras duras, fazendo vir à tona lembranças ruins do seu passado que fazem você desacreditar do potencial da empresa.

Ou da sua própria capacidade de criar uma companhia de sucesso, minando sua motivação durante o resto da semana.

Nesse cenário, é fundamental ter autoconhecimento para identificar qual gatilho foi acionado, que emoções trouxe e de que forma elas podem ser contornadas.

Na mediação de conflitos

Autoconhecimento e empatia contribuem para gerenciar qualquer tipo de conflito.

Sabendo das próprias forças e fraquezas, você pode utilizar suas habilidades para se tornar um mediador.

Combinadas à capacidade de se colocar no lugar do outro, elas promovem ambientes mais harmônicos, em que há espaço para dar e receber feedback de modo assertivo.

Ou seja, de compartilhar diferentes pontos de vista sem deixar o respeito de lado.

Para desenvolver talentos

Saber enxergar o mundo sob a perspectiva do outro também ajuda no desenvolvimento de pessoas, pois permite a identificação e valorização de talentos.

Quando percebe que um colaborador é bom na comunicação, por exemplo, ele pode ser colocado numa posição em que use esse atributo com mais frequência.

Durante as negociações

Outra dinâmica que faz parte da rotina do empreendedor é a negociação, seja de valores, horários, investimentos, alocação de equipes ou recursos.

Nesse cenário, vale apostar na sociabilidade para conquistar confiança do cliente, parceiro ou investidor e fazer a proposta mais alinhada aos objetivos de todos.

Ao enfrentar adversidades

Resiliência é outra característica que faz parte da inteligência emocional.

Porque quem empreende sabe que as barreiras, recusas, rasteiras e outras adversidades virão, por isso, é essencial manter suas raízes bem firmes, tomar fôlego e se levantar depois de cada queda.

Como evitar que as emoções prejudiquem seu negócio?

Sabendo que as emoções interferem na sua motivação e energia, vale adotar boas práticas para impedir que elas gerem impactos negativos.

Selecionamos quatro dicas certeiras para ajudar você nessa tarefa.

Confira!

Atenção aos padrões comportamentais

Tanto você quanto as pessoas com quem trabalha agem de acordo com padrões emocionais enraizados, que podem ser percebidos a partir de observação e autoconsciência.

Se alguém fica irritado perto da hora do almoço, por exemplo, esse não é o melhor momento para cobrar uma demanda, concorda?

Muitas vezes, programar as ações considerando as forças e fraquezas da equipe faz uma grande diferença para o bem-estar geral.

Respire fundo

Pode parecer clichê, mas dá sim para evitar explosões emocionais parando por alguns minutos e fazendo exercícios de respiração.

Simplesmente porque a atividade exige um tempo de reflexão, prevenindo respostas impulsivas – e muita dor de cabeça.

Aprenda com os feedbacks

Em vez de reagir a críticas no mesmo tom, procure encontrar sua razão e tirar algum aprendizado delas.

Quando as coisas acalmarem, pergunte o porquê das reclamações e não as leve para o lado pessoal.

Construa um ambiente de trabalho saudável

Fatores como o clima organizacional e a cultura da empresa são a base para o modo como os colaboradores se sentem no trabalho, o que tem efeito sobre sua saúde.

Questões relacionadas ao ambiente físico e ergonomia afetam a saúde da coluna, olhos e articulações, porém não podemos esquecer a saúde mental.

Funcionários sobrecarregados, com pouco espaço para se estressar e clima agressivo tendem não apenas a perder produtividade, mas também a adoecer e aumentar o número de faltas no trabalho.

Além do absenteísmo, estão sujeitos a sofrer com males como burnout, crises de ansiedade e depressão.

Portanto, é inteligente adotar iniciativas de bem-estar, incentivando a alimentação saudável, prática de exercício físico, boas noites de sono e uma rotina preventiva, com consultas e exames periódicos.

Como desenvolver a inteligência emocional?

Existem diversos caminhos para desenvolver e aguçar a inteligência emocional.

O importante é trabalhar os cinco pilares que citamos lá no início do texto, a fim de obter equilíbrio nos relacionamentos intra e interpessoais.

Veja sugestões para aprimorar cada ponto:

  • Autoconhecimento: psicoterapia, conversas, cursos, feedbacks de colegas e autoavaliações ajudam a compreender melhor nossos impulsos emocionais, que nascem no inconsciente
  • Autocontrole: conhecendo seus impulsos, você terá a chave para fazer a gestão deles. Lembre-se que as emoções nascem dos pensamentos, então, mudar a forma como pensa altera sua percepção das situações. Respirar fundo, fazer pausas para um café e ouvir uma música de que gosta são algumas maneiras de modificar o estado emocional
  • Empatia: ouvir mais do que falar e se conectar com o próximo ajudam a treinar essa competência
  • Automotivação: trabalhar com mecanismos de recompensa é uma boa pedida, porque assim você associa o trabalho às conquistas. Procure incluir pelo menos uma atividade prazerosa por dia
  • Sociabilidade: quando precisar negociar, dê preferência ao cenário mais harmônico, em que há vantagens para todos. Abra espaço para feedbacks e desafie seu time a crescer.

Cuide da sua saúde de forma integral com a Sami

Se a mente é o campo das emoções, estados emocionais positivos dependem da saúde mental.

Daí a relevância de cuidar bem dos nossos pensamentos, sonhos e autoestima, priorizando a paz interior e o equilíbrio interno para obter a motivação essencial às metas do dia a dia.

O segredo está no acolhimento e valorização de quem somos e das pessoas que nos rodeiam, seja no trabalho ou na vida pessoal.

Nesse contexto, benefícios que demonstram preocupação com os empregados, como o plano de saúde, são cada vez mais desejados.

Eles promovem o bem-estar ao fornecer uma alternativa ao SUS e facilitar a assistência médica para colaboradores e seus familiares.

Melhor ainda quando apresentam opções para prevenir o adoecimento físico e mental, como fazemos aqui na Sami.

A gente coloca um Time de Saúde à disposição do cliente para ajudar com a rotina preventiva e cuidados clínicos, além de dar acesso a benefícios como a rede de academias e wellness Gympass com adicionais exclusivos como meditação guiada, yoga, exercícios de mindfulness e até terapia digital – tudo grátis, já incluído no plano.

Temos planos para MEI e empresas de pequeno e médio porte, a partir de 1 pessoa, nas cidades de São Paulo, Guarulhos, Osasco, Taboão da Serra e no ABC, com preços a partir de R$ 172 por mês por pessoa.

Nossa rede credenciada, os Parceiros Clínicos da Sami, inclui opções de hospitais com acreditações internacionais, maternidades, clínicas e laboratórios de qualidade, como Hospital Leforte, Hospital 9 de Julho, maternidades Santa Izildinha e Hospital Sepaco, laboratórios Labi, entre outros.

Peça agora mesmo sua cotação, clicando no botão abaixo!

Ei, RH! Quer economizar até30% no plano da sua empresa?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

4 dicas para cuidar da saúde mental feminina no trabalho remoto

Dupla jornada, responsabilidades com a vida familiar e salário desigual são alguns dos motivos que levam a diagnósticos de distúrbios relacionados à...

Obesidade sem tabu ou gordofobia: tudo que precisamos saber

Em 4 de março é celebrado o dia mundial da obesidade, instituído pela OMS para conscientizar a todos sobre os riscos de...

IMC: entenda as faixas e o peso ideal

O Índice de Massa Corporal (IMC) é uma ferramenta utilizada na área da saúde para avaliar a relação entre peso e altura de uma pessoa e, assim, classificar seu estado nutricional em categorias.

Etarismo: o que é, impactos na vida do idoso e a importância da pirâmide etária

o etarismo se refere a estereótipos, preconceitos e discriminação direcionada às pessoas com base na idade que elas têm.

Pluralidade cultural: o papel do pluralismo nas empresas

A pluralidade é um tema importante nos dias atuais, onde as fronteiras entre as nações se tornam cada vez mais fluidas e o mundo cada vez mais globalizado.
Ei, RH!Já conhece o planode saúde com foco emretenção de talentos?
×