Início Plano de Saúde Indicadores hospitalares: o que são e para que servem?

Indicadores hospitalares: o que são e para que servem?

Autor

Data

Categoria

Avaliar, mensurar, controlar e acompanhar são as principais melhorias que os indicadores hospitalares trazem na prática. Indispensável para uma boa gestão, os indicadores hospitalares são recursos estratégicos para criar melhores formas de trabalho.

Eles facilitam a análise de um grande volume de dados de um sistema de saúde. E é por meio deles que o gestor consegue acessar dados que antes pareciam muito complexos de organizar e entender.

Pelo uso de sistemas de digitais integrados ao Business Intelligence (BI), promovemos melhores práticas, aprimoramos processos críticos e reduzimos custos. Além disso, também é possível aumentar a produtividade e a qualidade do atendimento aos pacientes.

Para se ter uma ideia, os hospitais brasileiros têm investido cada vez mais no sistema de indicadores hospitalares. De acordo com a Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), cerca de 82% dos hospitais investem em BI desde de 2019.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou o início dos testes do Programa de Monitoramento da Qualidade da Assistência Hospitalar, parte da iniciativa QUALISS de melhoria na qualificação das redes dos planos de saúde, que começou em janeiro deste ano. Com previsão de conclusão até junho de 2022, os hospitais serão classificados em cinco faixas de 14 indicadores que medem a qualidade hospitalar.

Vamos entender melhor o que são esses indicadores? Neste conteúdo, falaremos sobre:

  1. O que são indicadores hospitalares e para que eles são utilizados?
  2. O que a ANS diz sobre o tema?
  3. Como saber se um hospital é bom?
  4. Procurando um plano com bons hospitais? Vem pra Sami!

O que são indicadores hospitalares e para que eles são utilizados?

Os indicadores hospitalares são peças-chaves para analisar, acompanhar e aprimorar processos de qualquer setor de um hospital. São essas ferramentas que garantem uma boa informação ao gestor para que ele possa tomar as melhores decisões para a instituição de saúde.

Entendemos que quanto mais dados existirem, mais informações nós temos. Sendo assim, quanto mais indicadores de saúde um hospital possui, mais o seu gestor consegue tomar decisões assertivas, melhorando a saúde financeira, os processos e a qualidade no atendimento.

Esses indicadores são dispostos de modo interativo e em tempo real. Desse jeito, o gestor consegue, por exemplo, acompanhar a ocupação de leitos, utilização de salas cirúrgicas, quantidade de pacientes, pacientes graves e outros.

Para se ter acesso ao quadro situacional de um hospital, é fundamental o uso de indicadores. No entanto, devido à complexidade de um sistema como o da saúde, existem muitos indicadores mapeados. Vamos conhecer os principais?

Taxa de ocupação – Quando vemos em jornais que uma quantidade considerável de leitos foi ocupada, principalmente em momentos de pandemia, quer dizer que o hospital possui um indicador de taxa de ocupação.

Esse indicador informa o total de pacientes atendidos pela quantidade de leitos disponíveis por dia. Se a taxa de ocupação for pequena, explica que o hospital tem uma estrutura além da necessária. No entanto, se a taxa for maior que a capacidade total do hospital, é importante investir em uma expansão do local.

Tempo médio de permanência – Para entender esse cálculo, é preciso saber que o tempo de permanência leva em conta o tempo médio em altas, transferências e óbitos. É considerado o total de pessoas atendidas por dia, intervalo de tempo e número de pacientes.

No entanto, essa fórmula é mais usada em hospitais de curta permanência. Ou seja, hospitais que oferecem internações longas devem utilizar outro indicador mais apropriado.

Taxa de mortalidade – Essa taxa corresponde ao número de óbitos durante a internação hospitalar e por atos cirúrgicos.

O que a ANS diz sobre o tema?

Como vimos mais acima, a ANS lançou um sistema de indicadores hospitalares no começo deste ano. Segundo a agência, a plataforma coleta dados para acompanhar desempenhos e avaliar a qualidade dos hospitais.

Etapa do Programa de Monitoramento da Qualidade da Assistência Hospitalar, com o processo, a ANS incentiva a competição em qualidade no setor, de acordo com o Diretor de Desenvolvimento Setorial, Cesar Serra.

Segundo o diretor, a escolha de um plano de saúde passa pela percepção da qualidade de rede dos prestadores de serviços hospitalares, que traz empoderamento ao paciente que pode escolher o melhor hospital para seguir tratamento.

Como saber se um hospital é bom?

O Programa de Qualificação dos Prestadores de Serviços de Saúde (Qualiss), da ANS, é um bom indicador de qualidade hospitalar. Ele foi desenvolvido justamente para nos ajudar a entender se um hospital atende os critérios importantes relacionados à qualidade assistencial, bem como clínicas, laboratórios e profissionais.

Ao se perguntar se um hospital é bom, vale a pena pesquisar no programa desenvolvido pela ANS, que você consegue acessar aqui. Lá, você também encontra clínicas e serviços de apoio ao diagnóstico e terapias.

Entre os requisitos mínimos estabelecidos não só pela ANS, mas por todas as entidades governamentais que contribuem para a sua qualificação, como Anvisa, INMetro, ONA e SBP, um hospital precisa:

  • Ter instalações físicas específicas para pacientes que poderão ficar mais de 24h internados;
  • Realizar o Censo Hospitalar Diário, de acordo com a Portaria n° 312/2002;
  • Ter no mínimo 20 leitos,
  • Possuir prontuário único;
  • Manter ativas as seguintes comissões:
  1. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar;
  2. Comissão de Ética Médica, se possuir mais de 10 médicos em seu corpo clínico;
  3. Comissão de Revisão de Prontuários; 
  4. Comissão de Revisão de Óbitos.

Na prática, precisamos observar os detalhes em relação às avaliações e estrutura do hospital. Como por exemplo:

O hospital oferece atendimento humano e especializado? Ou seja, você se sente ouvido quando vai a uma consulta? Foi bem atendido? Tenha em mente que um sistema humanizado acolhe o paciente em momento de desconforto.

A equipe é capacitada? Ao se consultar, busque saber no que o seu médico é especialista, no que ele pode ser essencial no diagnóstico.

O hospital preza pela segurança? Um dos indicadores principais nas avaliações é a segurança. Portanto, saber se o hospital segue os critérios de segurança estabelecidos para evitar propagação de doenças, por exemplo, é primordial.

Procurando um plano com bons hospitais? Vem pra Sami!

A Sami nasceu para ser sua aliada na saúde, com tratamento proativo e preventivo. Com os nossos planos você tem rede médica de referência e seu próprio Time de Saúde sem susto no bolso.

Com um plano da Sami, você conta com:

  • Time de Saúde: Composto por médico, enfermeiro e coordenador de saúde, uma equipe que te conhece e está sempre a postos para te ajudar no que for preciso. E você escolhe: atendimento presencial ou por telemedicina;
  • Atendimentos de emergência e internação: pronto-socorro adulto e infantil em hospitais de padrão internacional. No caso de internação, você tem opções de quarto individual ou coletivo;
  • Rede credenciada de alto nível: contamos com hospitais como Beneficência Portuguesa, Hospital Alemão Oswaldo Cruz (unidade Vergueiro), laboratórios Lavoisier e muitos outros;
  • Sem reembolsos e coparticipação: você sabe sempre o quanto vai pagar no seu plano;
  • Rede de Hábitos Saudáveis: porque saúde vai muito além dos cuidados clínicos. Nela você conta com o Gympass grátis por tempo limitado, tendo acesso a mais de 9 mil academias e 27 apps de bem-estar, nutrição e meditação, além de sessões com personal trainer, e com outros benefícios exclusivos para a sua saúde mental e o seu bem-estar.

Com a Sami, você tem muito mais que um plano – e o melhor, cabe tudo no seu bolso! Veja essa simulação que fizemos abaixo:

Quer fazer parte dessa revolução na saúde? Vem pra Sami! Clique no botão abaixo e faça uma cotação.

Ei, RH! Quer economizar até30% no plano da sua empresa?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

IMC: entenda as faixas e o peso ideal

O Índice de Massa Corporal (IMC) é uma ferramenta utilizada na área da saúde para avaliar a relação entre peso e altura de uma pessoa e, assim, classificar seu estado nutricional em categorias.

Etarismo: o que é, impactos na vida do idoso e a importância da pirâmide etária

o etarismo se refere a estereótipos, preconceitos e discriminação direcionada às pessoas com base na idade que elas têm.

Pluralidade cultural: o papel do pluralismo nas empresas

A pluralidade é um tema importante nos dias atuais, onde as fronteiras entre as nações se tornam cada vez mais fluidas e o mundo cada vez mais globalizado.

O que é ambidestria organizacional e quais são os benefícios

A ambidestria organizacional é uma abordagem que tem como objetivo equilibrar-se em dois focos sem perder a eficiência de suas operações.

Mundo BANI: o que é e como ele impacta a sua empresa

O BANI é uma maneira mais assertiva de enquadrar e entender o estado do mundo atual. Ao contrário do que muitos pensam, o mundo BANI não surgiu após a pandemia da Covid-19.
Ei, RH!Já conhece o planode saúde com foco emretenção de talentos?
×