Início Saúde Trabalho intermitente: como funciona e como afeta a saúde no trabalho?

Trabalho intermitente: como funciona e como afeta a saúde no trabalho?

Autor

Data

Categoria

Sem jornada e salários fixos, o trabalho intermitente tem ganhado considerável popularidade. Com a reforma trabalhista, o trabalho intermitente passou a ser válido para contratação de trabalhadores por meio da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT).

Sem horário fixo e ganho por horas trabalhadas, a modalidade parece ser bastante inovadora e gerado muitos apoiadores, se cumprirem as regras estabelecidas. A questão é: as regras estão sendo cumpridas? O trabalho é realmente sem horário fixo?

A ideia do contrato de trabalho intermitente é diminuir a quantidade de pessoas que fazem trabalhos extras ou como “bicos” e que passem a ser contratados por carteira.

Para se ter uma ideia, esse modelo de trabalho foi muito usado no início da pandemia, onde mais de 50% das vagas criadas eram para o trabalho intermitente, devido à instabilidade do período.

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), dos 142 mil novos empregos estabelecidos por carteira assinada, cerca de 73 mil estavam incluídos nessa modalidade.

Mas o que, de fato, é um trabalho intermitente? O que a legislação diz a respeito? Afeta a saúde do colaborador e a qualidade de vida no trabalho?

Vamos entender mais sobre o tema. Neste conteúdo, falaremos sobre:

  1. O que é o trabalho intermitente?
  2. O que a legislação trabalhista diz sobre o tema?
  3. O que o RH deve conhecer na prática sobre o tema?
  4. Como o trabalho intermitente pode afetar a saúde do colaborador?
  5. Promova mais saúde no trabalho com um plano Sami

O que é o trabalho intermitente?

Implementado no Brasil pela Lei nº 13.467, de 2017, o trabalho intermitente pode ser utilizado em todos os segmentos de mercado. De acordo com a definição da lei:

“Contrato de Trabalho intermitente é uma prestação de serviços não contínua, com subordinação, que ocorre com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador (exceto para os aeronautas, regidos por legislação própria).”

De modo geral, o empregado é contratado por um serviço específico e só recebe quando é chamado pela empresa. Com essa modalidade, é possível firmar contratos com mais de uma empresa.

No entanto, há algumas regras, entre elas é quanto ao salário mínimo. Segundo a lei, não pode ser menos que o salário mínimo por horas estabelecido atualmente, R$ 5,51, em 2022. Outra regra é quanto ao pedido do serviço: a empresa precisa entrar em contato com o servidor com, no mínimo, três dias de antecedência e é o colaborador que decide se aceita ou não a demanda.

O trabalho intermitente de acordo com a lei que o rege traz os mesmos direitos de um contrato convencional, com exceção do seguro-desemprego, que não é um benefício desse tipo de modalidade.

O que a legislação trabalhista diz sobre o tema?

Como visto acima, o trabalho intermitente é válido desde a reforma trabalhista ocorrida em 2017. Mas é claro que existem regras a serem seguidas. Vejamos a seguir.

Deve conter os seguintes pontos no contrato de trabalho:

  • Local e prazo para realização do pagamento pela demanda;
  • Identificação de sede e domicílio do empregador e do empregado;
  • Valor estabelecido pelo trabalho a ser fornecido;
  • Os turnos que o trabalhador pode ser chamado;
  • Locais de trabalho para a prestação de serviços;
  • O que fazer em caso de cancelamento para que nenhuma das partes sejam prejudicadas.
  • Como o colaborador será convocado.

Vamos entender na prática como a legislação para o trabalho intermitente funciona:

ConvencionalIntermitente
Jornada de trabalho definida?SimNão
Horário fixo?SimNão
Salário mensal fixo?SimNão
Férias?SimSim, mas proporcional
13º salário?SimSim, mas proporcional
FGTS?SimSim
Seguro-desemprego?SimNão
Aposentadoria?SimSim, mas só se contribuir no valor mínimo
Auxílio-doença pelo INSS?SimSim, mas só se contribuir no valor mínimo

Sobre a quebra ou o cancelamento do contrato, a lei informa que a rescisão automática pode acontecer quando, por exemplo, a convocação para algum tipo de serviço aconteceu a mais de um ano.

No entanto, o colaborador também pode rescindir o contrato caso queira, mas será necessário pagar indenizações à empresa. Sendo: 50% do valor do aviso prévio, multa de 20% sobre o saldo do FGTS e outros.

Além disso, como vimos, para o trabalhador as vantagens não são todas: ele fica limitado ao saque de 80% apenas disponível pelo FGTS e não terá o seguro-desemprego, mesmo que tenha contribuído com o mínimo.

O que o RH deve conhecer na prática sobre o tema?

É importante, como profissional de Recursos Humanos, empreendedor ou gestor, ter alguns pontos em mente: a convocação pode ser feita por qualquer canal de comunicação, incluindo o mais comum atualmente, o Whatsapp. No entanto, ela precisa ser feita com três dias de antecedência.

O funcionário contratado na modalidade pode se recusar a atender a demanda e não há limite estabelecido para recusas. Caso aceite e não compareça, há uma multa de 50% no valor base de um mês.

Esse tipo de trabalho protege o empregado em relação às recusas, bem como no limite de carga horária semanal, sendo de 44 horas semanais e 220 horas mensais. Com isso, não há limite mínimo de carga horária.

Além disso, é importante entender que é obrigatório que o empregado tenha períodos de inatividade, visto que o trabalho intermitente também libera outros contratos firmados em outras empresas.

E sobre o pagamento, como funciona? O pagamento não pode exceder 30 dias, contando a partir do primeiro trabalho fornecido. Com o fim de cada ciclo, o empregador paga a remuneração acordada em contrato, incluindo o valor proporcional dos benefícios de uma carteira assinada, como adicional noturno e insalubridade, por exemplo.

A vantagem do trabalho intermitente para a empresa é a flexibilidade de suprir uma demanda que não é sempre necessária, mas continua sendo importante. No entanto, o RH precisa ter em mente que este tipo de contrato deve ser estabelecido apenas para suprir demandas eventuais.

Como o trabalho intermitente pode afetar a saúde do colaborador?

Esse tipo de modalidade foi instaurado para suprir uma grande demanda de desempregados que sobreviviam por trabalho informal. Com a chegada do trabalho intermitente, essas pessoas conseguiram contratos de trabalhos formais e com a maior parte dos benefícios de contratos convencionais estabelecidos pela CLT.

Para o funcionário, esse tipo de trabalho é bom por ser flexível, já que ele pode aceitar a demanda de acordo com a sua disponibilidade. Com isso, ele garante certa liberdade para gerenciar seu tempo.

É possível firmar contratos com outras empresas, aumentando ainda mais a renda e ter os direitos garantidos pela CLT.

No entanto, pode trazer estresse e ansiedade para o colaborador, principalmente em períodos de inatividade, já que só garantem o salário quando efetivamente trabalham. E, muitas vezes, podem firmar contratos para garantir uma maior quantia e acabar sobrecarregado de demandas.

Promova mais saúde no trabalho com um plano Sami

A Sami nasceu para ser sua aliada na saúde, com tratamento proativo e preventivo. Com os nossos planos você tem rede médica de referência e seu próprio Time de Saúde sem susto no bolso.

Com um plano da Sami, você conta com:

  • Time de Saúde: Composto por médico, enfermeiro e coordenador de saúde, uma equipe que te conhece e está sempre a postos para te ajudar no que for preciso. E você escolhe: atendimento presencial ou por telemedicina;
  • Atendimentos de emergência e internação: pronto-socorro adulto e infantil em hospitais de padrão internacional. No caso de internação, você tem opções de quarto individual ou coletivo;
  • Rede credenciada de alto nível: contamos com hospitais como Beneficência Portuguesa, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, laboratórios Lavoisier e muitos outros;
  • Sem reembolsos e coparticipação: você sabe sempre o quanto vai pagar no seu plano;
  • Rede de Hábitos Saudáveis: porque saúde vai muito além dos cuidados clínicos. Nela você conta com o Gympass grátis por tempo limitado, tendo acesso a mais de 9 mil academias e 27 apps de bem-estar, nutrição e meditação, além de sessões com personal trainer, e com o Vitalk, ferramenta que ajuda você a cuidar da sua saúde mental através de conversas e exercícios guiados pela Viki, assistente virtual do app que ajuda no autocuidado.

Com a Sami, você tem muito mais que um plano – e o melhor, cabe tudo no seu bolso! Veja essa simulação que fizemos abaixo:

Quer fazer parte dessa revolução na saúde? Vem pra Sami! Clique no botão abaixo e faça uma cotação.

Ei, RH! Quer economizar até30% no plano da sua empresa?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

4 dicas para cuidar da saúde mental feminina no trabalho remoto

Dupla jornada, responsabilidades com a vida familiar e salário desigual são alguns dos motivos que levam a diagnósticos de distúrbios relacionados à...

Obesidade sem tabu ou gordofobia: tudo que precisamos saber

Em 4 de março é celebrado o dia mundial da obesidade, instituído pela OMS para conscientizar a todos sobre os riscos de...

IMC: entenda as faixas e o peso ideal

O Índice de Massa Corporal (IMC) é uma ferramenta utilizada na área da saúde para avaliar a relação entre peso e altura de uma pessoa e, assim, classificar seu estado nutricional em categorias.

Etarismo: o que é, impactos na vida do idoso e a importância da pirâmide etária

o etarismo se refere a estereótipos, preconceitos e discriminação direcionada às pessoas com base na idade que elas têm.

Pluralidade cultural: o papel do pluralismo nas empresas

A pluralidade é um tema importante nos dias atuais, onde as fronteiras entre as nações se tornam cada vez mais fluidas e o mundo cada vez mais globalizado.
Ei, RH!Já conhece o planode saúde com foco emretenção de talentos?
×