Início Artigos Aumento de casos da COVID-19 deixa a população em alerta: veja como...

Aumento de casos da COVID-19 deixa a população em alerta: veja como se proteger

Autor

Data

Categoria

Estamos passando por uma nova onda de COVID-19? O aumento repentino de casos da doença pode causar esse medo nas pessoas. Após alguns meses de flexibilização das medidas preventivas contra o novo coronavírus – especialmente em relação à obrigatoriedade do uso de máscara -, o Brasil volta a registrar números alarmantes de infectados.

Entre 6 e 11 de novembro de 2022, as Secretarias Estaduais de Saúde notificaram ao Ministério da Saúde 57.825 novos casos e 314 óbitos por COVID-19. A média móvel de casos diários nos últimos sete dias foi de 8.448, representando um aumento de 120% em relação à média móvel da semana anterior – que foi de 3.834. Quanto aos óbitos, a média diária teve um salto de 28% em comparação à outra semana.

Segundo o Ministério da Saúde, a circulação de novas linhagens da Variante de Preocupação (VOC) Ômicron, principalmente da sublinhagem BQ.1, BA.5.3.1, pode ser a causa para esse aumento de casos. Isso porque elas têm se mostrado mais transmissíveis do que as outras variantes, e já foram detectadas em, pelos menos, 65 países.

Essas novas “aparições” também acendem um alerta para o risco aumentado de reinfecção da doença. Por isso, o momento é de muita cautela e cuidado redobrado com a prevenção da COVID-19, feita através de uso frequente de álcool em gel, uso de máscaras de proteção e isolamento (quando necessário).

A seguir, entenda como identificar a COVID-19 e o que fazer para prevenir a doença:

  1. Sintomas da COVID-19
  2. Como se proteger da COVID-19?
  3. Recomendações de isolamento
  4. Possíveis sequelas da COVID-19

Sintomas da COVID-19

Os sintomas mais comuns são:

  • Febre;
  • Cansaço;
  • Tosse seca;
  • Congestão nasal;
  • Perda de paladar ou olfato;
  • Dor de garganta;
  • Dor de cabeça.

A doença ainda pode provocar:

  • Conjuntivite;
  • Dor muscular ou nas articulações;
  • Erupção cutânea;
  • Náusea e/ou vômito;
  • Diarreia;
  • Calafrios;
  • Tontura.

Como a maioria dos sintomas da COVID-19 é comum entre as principais doenças respiratórias, pode surgir a dúvida: Será que estou com COVID ou é só uma gripe? Para definir o diagnóstico, a recomendação é passar por uma avaliação do Time de Saúde.

Se for necessário realizar o teste e der positivo, confirmando que você está com COVID, fique em casa para evitar a disseminação da doença. O recurso de telemedicina pode ser seu grande aliado em caso de piora dos sintomas, pois é possível ter assistência médica sem precisar se expor.

Como se proteger da COVID-19?

O Ministério da Saúde recomenda higienização frequente das mãos com álcool 70% ou água e sabão. O uso de máscaras de proteção facial é fundamental, especialmente para pessoas que trabalham em locais fechados, com aglomerações ou em serviços de saúde. 

A máscara ainda é indicada para aqueles que fazem parte do grupo de risco da doença (imunossuprimidos, idosos, gestantes e pessoas com múltiplas comorbidades) ou tiveram contato com pessoas que testaram positivo para COVID-19 recentemente.

O isolamento social de pessoas com suspeita ou confirmação da doença também é uma alternativa eficaz para evitar a disseminação do vírus. O período de afastamento varia de acordo com a melhora ou evolução dos sintomas. E não se esqueça de tomar a vacina e todas as doses de reforço! Esse é o principal meio de controlar o vírus e evitar casos graves da doença. 

Recomendações de isolamento

O período de isolamento é variável. A indicação é que o período mínimo seja de cinco dias. Se no 5º dia completo a pessoa estiver sem sintomas respiratórios, sem febre e sem usar medicamentos antitérmicos há pelo menos 24h, deve procurar o Time de Saúde para reavaliação.

Possíveis sequelas da COVID-19

Até o dia 11 de novembro de 2022, em mais de 2 anos de pandemia, o Brasil já registrou 34.908.198 casos. Além dos sintomas, muitas dessas pessoas tiveram que lidar com algumas sequelas causadas pela doença. A mais comum é a síndrome pós-COVID-19, ou COVID longa, marcada por falta de ar, tosse persistente, pouca concentração e mais.

Há também casos de fibrose pulmonar e embolia pulmonar, problemas cardíacos, queda de cabelo, alterações cognitivas (especialmente em relação à memória), mudanças no olfato, trombose, AVC e disfunção erétil. 

A COVID-19 pode afetar o nosso organismo de diversas maneiras, mas ainda é muito cedo para parametrizar todos os prejuízos que a doença traz para a saúde pública. Por isso, proteja-se! Com as medidas de prevenção, você salva a sua vida e a de outras pessoas.

Ei, RH! Quer economizar até30% no plano da sua empresa?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

IMC: entenda as faixas e o peso ideal

O Índice de Massa Corporal (IMC) é uma ferramenta utilizada na área da saúde para avaliar a relação entre peso e altura de uma pessoa e, assim, classificar seu estado nutricional em categorias.

Etarismo: o que é, impactos na vida do idoso e a importância da pirâmide etária

o etarismo se refere a estereótipos, preconceitos e discriminação direcionada às pessoas com base na idade que elas têm.

Pluralidade cultural: o papel do pluralismo nas empresas

A pluralidade é um tema importante nos dias atuais, onde as fronteiras entre as nações se tornam cada vez mais fluidas e o mundo cada vez mais globalizado.

O que é ambidestria organizacional e quais são os benefícios

A ambidestria organizacional é uma abordagem que tem como objetivo equilibrar-se em dois focos sem perder a eficiência de suas operações.

Mundo BANI: o que é e como ele impacta a sua empresa

O BANI é uma maneira mais assertiva de enquadrar e entender o estado do mundo atual. Ao contrário do que muitos pensam, o mundo BANI não surgiu após a pandemia da Covid-19.
Ei, RH!Já conhece o planode saúde com foco emretenção de talentos?
×