Início Artigos Câncer do colo do útero é causado pelo HPV: entenda como se...

Câncer do colo do útero é causado pelo HPV: entenda como se proteger

Autor

Data

Categoria

O câncer do colo do útero é um perigo silencioso. Isso porque ele demora anos para se desenvolver, mas ainda assim é a principal causa de morte entre mulheres da América Latina e do Caribe, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS)

No Brasil, desconsiderando o câncer de pele não melanoma, ele é o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina (atrás somente do câncer de mama e do colorretal), e a quarta causa de morte entre mulheres. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) é que ocorram mais de 16 mil novos casos da doença todos os anos. Desse total, como indica o Atlas de Mortalidade por Câncer, cerca de 6 mil pacientes não resistem.

Mas, em contrapartida, existem diversas maneiras de prevenir o câncer do colo do útero ou até mesmo diagnosticá-lo precocemente – aumentando, assim, as chances de sobrevida. Para saber mais sobre o assunto, confira os tópicos a seguir: 

  1. O que é câncer do colo do útero?
  2. Quais são os sintomas do câncer no colo do útero?
  3. O que causa o câncer do colo do útero?
  4. Fatores de risco
  5. Diagnóstico de câncer do colo do útero
  6. Como funciona o papanicolau?
  7. Tratamento para câncer do colo do útero
  8. Pós-tratamento de câncer do colo do útero
  9. Como se prevenir

O que é câncer do colo do útero?

O câncer do colo do útero é caracterizado por alterações celulares que dão origem a um tumor no colo do útero, localizado no final da vagina, entre órgãos internos e internos. Seu desenvolvimento costuma ser lento (em mulheres com sistema imunológico saudável, de 15 a 20 anos; já as que possuem alguma debilitação, pode levar de 5 a 10 anos), o que facilita a sua detecção precoce através de exames preventivos, especialmente o papanicolau.

Por outro lado, isso faz com que esse tipo de câncer não apresente sintomas expressivos quando está ainda em estágios iniciais, sendo percebido fisicamente apenas em casos mais avançados. Por isso é essencial incluir o papanicolau no seu check-up anual.

Quais são os sintomas do câncer do colo do útero?

Como dito anteriormente, o câncer do colo do útero não costuma manifestar sintomas na fase inicial. Com o avançar do quadro, no entanto, a doença pode apresentar sinais como:

  • Sangramento vaginal intermitente fora do período menstrual ou após a relação sexual;
  • Secreção vaginal anormal, com cor escura e mau cheiro;
  • Dor abdominal;
  • Alterações urinárias ou intestinais.

O que causa o câncer do colo do útero?

O agente causador do câncer do colo do útero é o papiloma vírus humano, o HPV, transmitido a partir da relação sexual. Existem mais de 100 tipos de HPV, e ao menos 14 são cancerígenos. Além do colo do útero, outros órgãos podem ser afetados pelo vírus, como o ânus, a vulva, a vagina, o pênis e o orofaringe.

Segundo o INCA, a maioria das pessoas entram em contato com a infecção ao longo da vida, mas normalmente o vírus é eliminado naturalmente pelo organismo. O que acontece é que se a infecção persistir e as lesões causadas pelo HPV não forem tratadas adequadamente, ao longo dos anos, elas podem evoluir para um câncer. 

Fatores de risco

Existem alguns fatores que deixam as pessoas mais suscetíveis a desenvolver o câncer do colo do útero, como início precoce da atividade sexual, falta de uso de preservativos, tabagismo, uso prolongado de pílulas anticoncepcionais e má higiene.

Diagnóstico de câncer do colo do útero

O diagnóstico é feito a partir de alguns exames de rastreamento. O principal deles é o papanicolau, podendo ser acompanhado de testes complementares, como:

  • Exame pélvico e histórico clínico: exame da vagina, colo do útero, útero, ovário e reto através de avaliação com espéculo, toque vaginal e toque retal.
  • Colposcopia: exame capaz de detectar lesões anormais ns vagina e no colo de útero com um aparelho chamado colposcópio.

Se esses exames estiverem alterados, com células anormais detectadas, o próximo passo é realizar uma biópsia, que consiste em retirar uma pequena amostra de tecido do colo do útero para análise oncológica.

Como funciona o papanicolau?

Realizar o papanicolau anualmente é a principal estratégia para prevenir ou diagnosticar o câncer do colo do útero de maneira precoce. Isso porque o exame consegue detectar lesões causadas pelo HPV antes mesmo de se tornarem cancerígenas, sendo possível tratá-las o quanto antes e evitar o alto risco de óbito da doença.

O papanicolau é indicado para mulheres entre 25 e 64 anos, e pode ser feito em postos ou unidades de saúde da rede pública. Ele é simples e rápido, e funciona da seguinte maneira:

  • O profissional da saúde introduz um instrumento chamado espéculo (conhecido popularmente como “bico de pato”) na vagina;
  • É feita uma inspeção visual do interior da vagina e do colo do útero;
  • Com uma espátula de madeira e uma escovinha, o profissional provoca uma descamação da superfície externa e interna do colo do útero;
  • As células colhidas são colocadas numa lâmina de vidro para análise em laboratório especializado em citopatologia.

O procedimento tende a ser indolor, mas pode causar algum tipo de desconforto. A fim de assegurar um resultado preciso, a recomendação é não ter relações sexuais (mesmo com camisinha) no dia anterior ao exame, além de evitar o uso de duchas vaginais, medicamentos e anticoncepcionais locais nas 48 horas anteriores ao papanicolau. 

A presença de sangue pode alterar o resultado do exame; por isso, o ideal é não fazer o procedimento durante o período menstrual. E se você estiver grávida, não se preocupe: o exame não oferece nenhum risco à sua saúde ou à do seu bebê. 

Tratamento para câncer do colo do útero

Se após a biópsia for confirmada a presença do câncer do colo do útero, o time de saúde irá avaliar o tratamento mais adequado para cada caso, que pode envolver cirurgia, quimioterapia ou radioterapia. Isso vai depender do estágio da doença, do tamanho do tumor e de alguns fatores pessoais, como idade da paciente e se ela deseja ter filhos, por exemplo.

Agora, caso o exame detecte alguma lesão na região, mas que ainda não evoluiu para um câncer, é possível tratá-la a nível ambulatorial, por meio de uma eletrocirurgia.

Pós-tratamento de câncer do colo do útero

Após o tratamento, se o câncer do colo do útero tiver sido diagnosticado em fase inicial, as chances de cura são de 80 a 90% – com redução progressiva dessa taxa conforme o avanço do quadro. De qualquer forma, mesmo depois da remissão da doença, é importante realizar colposcopia pelo menos uma vez ao ano, para acompanhar se ainda há presença de células cancerígenas.

Como se prevenir

A prevenção do câncer do colo do útero está intimamente relacionada à diminuição do risco de contágio do HPV. Como a transmissão dessa infecção ocorre por via sexual, o uso de preservativos – tanto a camisinha masculina quanto a feminina – é uma boa tática para se proteger. Mas só isso não é suficiente!

Afinal, a infecção não ocorre somente na penetração, como também pelo contato com a pele da vulva, região perineal, perianal e bolsa escrotal. Por isso, é fundamental realizar o papanicolau de acordo com a recomendação do seu ginecologista e se vacinar contra o HPV, principalmente antes de iniciar a vida sexual.

Vacinação contra o HPV

Felizmente, a vacina contra o HPV faz parte do calendário vacinal do Sistema Único de Saúde (SUS). Ela foi implementada em 2014, para meninas de 9 a 13 anos. Contudo, em 2017, o Ministério da Saúde estendeu a vacina para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. 

Para mulheres com imunossupressão ou sistema imunológico debilitado, que vivem com HIV/Aids, transplantadas ou portadoras de cânceres, a vacina é indicada até os 45 anos de idade.

O imunizante disponível oferece proteção contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do HPV – sendo os dois primeiros causadores de verrugas genitais e os dois últimos responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero. 

Como não há vacina contra todos os tipos oncogênicos do HPV, é essencial que a vacinação seja associada a realização de exames preventivos a partir da idade recomendada – 25 anos.

Ei, RH! Quer economizar até30% no plano da sua empresa?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Posts Recentes

IMC: entenda as faixas e o peso ideal

O Índice de Massa Corporal (IMC) é uma ferramenta utilizada na área da saúde para avaliar a relação entre peso e altura de uma pessoa e, assim, classificar seu estado nutricional em categorias.

Etarismo: o que é, impactos na vida do idoso e a importância da pirâmide etária

o etarismo se refere a estereótipos, preconceitos e discriminação direcionada às pessoas com base na idade que elas têm.

Pluralidade cultural: o papel do pluralismo nas empresas

A pluralidade é um tema importante nos dias atuais, onde as fronteiras entre as nações se tornam cada vez mais fluidas e o mundo cada vez mais globalizado.

O que é ambidestria organizacional e quais são os benefícios

A ambidestria organizacional é uma abordagem que tem como objetivo equilibrar-se em dois focos sem perder a eficiência de suas operações.

Mundo BANI: o que é e como ele impacta a sua empresa

O BANI é uma maneira mais assertiva de enquadrar e entender o estado do mundo atual. Ao contrário do que muitos pensam, o mundo BANI não surgiu após a pandemia da Covid-19.
Ei, RH!Já conhece o planode saúde com foco emretenção de talentos?
×